Notícias Opiniões Segurança Moto Clubes Pilotos Eventos Desporto Esc. Condução IPO Área Reservada 
Wed, 26 Jan 2022
Entrada
Atrelados
Automóveis
Bicicletas
Motos
Viaturas Usadas
Emprego

 
 
Sical Challenge Team de regresso ao Dakar

Rodrigo Amaral aposta forte na edição de 2008

A Sical Challenge Team está de regresso ao Lisboa-Dakar com a dupla Rodrigo e Duarte Amaral. Com o seu Bowler Wildcat 200 Dakar mais evoluído, a dupla da Sical Challenge Team aposta forte na edição de 2008 e está empenhada em cumprir na íntegra o objectivo a que se propõe: chegar ao final da mais dura prova de todo-o-terreno do Mundo.

Esta será a quarta participação de Rodrigo Amaral no Rali Dakar. Cinco anos volvidos desde a sua estreia em absoluto no Dakar, Rodrigo Amaral amadureceu os seus objectivos e colocou de pé um projecto sólido para tentar chegar com êxito à capital senegalesa. Pela frente terá, naturalmente, um “mar” de obstáculos, mas o piloto português acredita nas potencialidades do Bowler Wildcat 200 Dakar da Sical Challenge Team para enfrentar mais este desafio, cujo desejo final é almejar o Lac Rose, em Dakar.

Rodrigo Amaral, que já ostentou o título de campeão nacional de todo-o-terreno em motos em três ocasiões (1995, 1998 e 2000), revela que "em termos de objectivos delineados" a intenção principal é "concluir a derradeira etapa", mas lembra que para isso, “é necessário ultrapassar com êxito todos os obstáculos que aparecerem pelo caminho, ao longo dos mais de 9.000 quilómetros de prova, pois este rali é propício a aventuras inesperadas e nunca se sabe o que pode acontecer. Mas o Dakar é isso, uma prova ímpar, o “desconhecido” faz parte do quotidiano e é isso que faz desta, a mais emocionante prova de todo-o-terreno do Mundo”.

Rodrigo e Duarte Amaral contam, este ano, com uma máquina mais evoluída: "Existe uma enorme ambição da nossa parte à partida para mais um Lisboa-Dakar. Estamos envolvidos em mais um desafio, com um 4x4 mais competitivo, com mais potência e, devido às suas características, muito eficaz na areia e na transposição das dunas. Graças à participação no Rali Transibérico deste ano, estamos também mais adaptados ao carro, o que será uma mais valia para a edição deste ano do Lisboa-Dakar”.

Para esta 30ª edição do Dakar, Rodrigo Amaral voltou a confiar no seu irmão Duarte para o “navegar” até ao Lac Rose. Uma escolha tomada não só devido às capacidades de Duarte Amaral, mas pensada também tendo em linha de conta as muitas horas que dois pilotos passam juntos no habitáculo de um carro durante o Dakar.

“Não tenho dúvidas em afirmar que foi a melhor escolha possível. Não é fácil passar 15 dias com a mesma pessoa dentro de um carro numa prova exigente como esta. Há sempre situações de maior emotividade ou stress e acredito que o entendimento com meu irmão vai minimizar este problema. Além disso, no ano passado teve uma prestação exemplar até ao nosso abandono por avaria mecânica, pelo que renovo toda a confiança nele já depositada”, garante o irmão mais novo do clã Amaral.

Duarte Amaral, por sua vez, encara com grande optimismo esta sua segunda participação no Lisboa-Dakar: “Nesta altura ainda não sinto grande pressão, apenas aquele pequeno nervosismo normal antes de uma prova tão longa como esta. O meu objectivo é tentar ajudar o Rodrigo em todas as situações que forem surgindo, procurando levá-lo pelo caminho certo até Dakar.”

O Bowler Wildcat 200 Dakar da Sical Challenge Team tem como base o Land Rover Defender e representa um equilíbrio ideal entre competitividade/fiabilidade/investimento. Entre as suas várias características, destaca-se por exemplo, um inovador sistema de protecção do cárter, que através de actuação hidráulica permite levantar autonomamente o veículo para situações de assistência ou para desatascar. “Creio que foi uma boa opção voltar a utilizar este carro, não só por já estar mais adaptado à sua forma de condução, mas também por ser bastante competitivo e fiável, encaixando dentro do nosso orçamento. É igualmente um carro relativamente leve comparado com outros, o que nos pode facilitar muito, especialmente na areia”, acrescenta Rodrigo Amaral.

No que diz respeito à assistência já em competição, além do representante oficial, o Bowler pintado com as cores SICAL vai contar com um suporte logístico próprio, um camião de assistência e um veículo 4x4, que dará assistência às 3 viaturas preparadas pela ParedeCar:

“Isto permite-nos não ter de carregar muito material no carro, pois em pleno deserto podemos trocar qualquer peça do carro junto do nosso veículo de assistência ou mesmo comprar material novo ao nosso fabricante, que tem camiões a participar na prova”, diz Rodrigo Amaral.

Em relação às etapas portuguesas, Rodrigo Amaral não esconde a sua satisfação pela primeira especial ser disputada na zona de Alcochete: “A primeira especial cronometrada do ano passado, apesar de ter sido muito interessante, julgo que foi algo “perigosa” tanto para os pilotos como para o imenso público que se deslocou à zona da Comporta para nos apoiar. Pelo que já pude constatar, a primeira especial deste ano, disputada no campo de tiro de Alcochete e na Companhia das Lezírias, reúne não só melhores condições de segurança, mas também terá um piso mais parecido com as Bajas portuguesas, um terreno que nos sentimos mais à vontade. A segunda especial será idêntica ou muito semelhante à do ano passado, pelo que será mais uma etapa para cumprir, antes de entrarmos no “verdadeiro” Dakar”.

New Communication, 2007-12-05
 
Pesquisar

W e b - d e s i g n


  A informação disponibilizada é de carácter informativo. Não tem a pretensão de ser exaustiva nem completa.
Não nos responsabilizamos por qualquer tipo de incorrecção, embora tenhamos a preocupação de ter a informação o mais correcta possível.