Notícias Opiniões Segurança Moto Clubes Pilotos Eventos Desporto Esc. Condução IPO Área Reservada 
Mon, 20 Aug 2018
Entrada
Atrelados
Automóveis
Bicicletas
Motos
Viaturas Usadas
Emprego

 
 
Tristeza e desilusão para Paulo Gonçalves

O inesperado aconteceu. O Lisboa-Dakar foi cancelado pela organização por razões de segurança. Ontem o rumor já circulava no paddock, mas ninguém queria acreditar no pior cenário. Depois de tanto trabalho e com tantas expectativas, tudo se desmoronou.

É difícil descrever os sentimentos entre as centenas de participantes que se preparavam para amanhã iniciar mais um Dakar. As caras têm um ar triste e ainda é difícil acreditar. O sonho que fica por realizar, os resultados que ficam por acontecer, o trabalho e o investimento que quase nada rendeu.

Para Paulo Gonçalves é ainda difícil crer na realidade: «Hoje de manhã a notícia caiu que nem uma bomba. Não queria acreditar e ainda me custa a crer que realmente vamos todos para casa sem cumprir aquilo a que nos propusemos e tanto trabalho deu a preparar. É uma tristeza e uma desilusão muito grande».

Quanto às razões que levaram à anulação da prova o piloto da Repsol Honda adianta: «Claro que temos que apoiar a decisão da organização. É unânime entre todos que a segurança é o mais importante para todos. Parece que o risco era mesmo muito elevado e certamente que a ASO ponderou bem antes de decidir. Havia a hipótese de fazer a prova só em Marrocos, mas assim nunca seria um verdadeiro Dakar. De qualquer forma os pilotos ficam numa posição muito complicada, pois esta situação implica a perca de muito dinheiro».

Paulo Gonçalves já havia verificado e colocado a sua moto em parque-fechado. Estava tudo pronto para realizar uma grande prova: «Estava muito confiante e muito motivado para esta prova, por isso custa ainda mais não poder realizar este Dakar. Estava tudo perfeito, a moto, eu, a equipa… é mesmo difícil…»

Quanto ao futuro do Dakar o piloto de Esposende comenta: «Vamos ter que aguardar. Ainda é cedo para saber como será no futuro, mas julgo que a organização terá que repensar tudo porque África parece que não oferece mais garantias de segurança. Uma situação destas não pode voltar a acontecer, é grave demais para toda a gente», Paulo Gonçalves acrescentou ainda: «Quero agradecer à minha equipa e a todos os que mais uma vez me apoiaram neste projecto».

Resta aguardar que a maior prova motorizada do mundo não fique comprometida, podendo surgir alternativas.

Paulo Gonçalves Press, 2008-01-04
 
Pesquisar

W e b - d e s i g n


  A informação disponibilizada é de carácter informativo. Não tem a pretensão de ser exaustiva nem completa.
Não nos responsabilizamos por qualquer tipo de incorrecção, embora tenhamos a preocupação de ter a informação o mais correcta possível.