Notícias Opiniões Segurança Moto Clubes Pilotos Eventos Desporto Esc. Condução IPO Área Reservada 
Sat, 20 Oct 2018
Entrada
Atrelados
Automóveis
Bicicletas
Motos
Viaturas Usadas
Emprego

 
 
Paulo Gonçalves satisfeito com resultado na estreia no Dakar

Piloto de Esposende aposta já no próximo ano

Paulo Gonçalves, piloto do Team Repsol/Honda, era um homem muito satisfeito no final da sua estreia no Lisboa/Dakar 2006. Com cinco resultados dentro dos dez primeiros classificados ao longo das 13 Especiais efectuadas contra o cronómetro (duas foram neutralizadas) e depois de ter liderado a primeira parte da tirada de ontem, Paulo Gonçalves faz um balanço positivo e olha já para o futuro.

“É um balanço verdadeiramente positivo. Não só consegui chegar a Dakar – o que me deixa muito contente –, como o faço entre os 25 primeiros da geral e como o segundo melhor português”, começou por adiantar “Speedy”.

“Verifiquei melhorias na minha pilotagem e navegação ao longo de toda a prova. A primeira parte foi um pouco mais difícil para mim, mas depois do dia de descanso as coisas começaram a mudar e comecei a sentir-me mais tranquilo e capaz de rodar com mais ritmo. Mas tenho a consciência que este resultado não se deve apenas a mim; fui eu quem pilotou e navegou, mas não fosse o apoio do Team Repsol/Honda ao longo de toda a prova, a magnífica fiabilidade da CRF 450X e as muitas dicas dadas pelo meu Director Desportivo, o Paulo Marques, e não acredito que pudesse estar tão satisfeito agora”, reconheceu o piloto de Esposende.

“Aprendi muito desde o primeiro dia e, para ser franco, até mesmo a queda que dei foi uma grande e importante lição. Fez-me olhar a prova de outra forma, respeitá-la ainda mais e refrear um pouco o andamento. Por incrível que possa parecer, acho que foi na altura certa, pois não só me fez prestar mais atenção, como ainda tive a oportunidade de recuperar muitas posições na geral. É certo que a aula de recuperar mais de 150 lugares ao longo da prova e rodar no pó dos outros podia ter tido outro motivo menos aparatoso, mas o Dakar é assim. Felizmente não me aconteceu nada em termos físicos”, confessou o piloto apoiado pela RPM.

“Agora, quando chegar a Portugal, quero começar a prepara o próximo ano. Vou ter de ver várias coisas porque queria ter a possibilidade de fazer duas provas africanas ao longo do ano para treinar mais a navegação e ficar a conhecer melhor as armadilhas que o deserto nos reserva. Estou certo que se o fizer, e contando com o apoio e infra-estrutura que tive neste Lisboa/Dakar, para o ano poderei apresentar um resultado final entre os dez primeiros ou muito próximo disso. O andamento que mostrei ao longo da prova, principalmente na segunda fase, são prova disso e, acima de tudo, grande motivação para alcançar essa meta”, rematou Paulo Gonçalves apostado em ser o melhor piloto Honda em 2006.

GateKeepers, 2006-01-15
 
Pesquisar

W e b - d e s i g n


  A informação disponibilizada é de carácter informativo. Não tem a pretensão de ser exaustiva nem completa.
Não nos responsabilizamos por qualquer tipo de incorrecção, embora tenhamos a preocupação de ter a informação o mais correcta possível.