Notícias Opiniões Segurança Moto Clubes Pilotos Eventos Desporto Esc. Condução IPO Área Reservada 
Sun, 22 Jul 2018
Entrada
Atrelados
Automóveis
Bicicletas
Motos
Viaturas Usadas
Emprego

 
 
Miguel Barbosa faz balanço do Lisboa/ Dakar

Miguel Barbosa reuniu hoje no Restaurante Estufa Real, patrocinadores e jornalistas para um almoço convívio sobre o Rali Lisboa – Dakar onde agradeceu a todos quanto o apoiaram neste passo em frente na sua carreira.

A primeira participação de Miguel Barbosa no Rallye Lisboa Dakar 2006, foi de facto uma inesquecível experiência para o Bi-Campeão Nacional de TT, que atingiu claramente os seus objectivos e formando com Miguel Ramalho a primeira dupla portuguesa a cortar a meta no Senegal. Para quem estava habituado a guiar carros mais competitivos nos últimos anos em Portugal, Barbosa teve a humildade de participar num carro bastante mais lento e menos potente, com o objectivo de aprender. No final, além de ter conseguido um excelente 21º lugar, foi considerado por muitos, como o piloto revelação do Rallye Lisboa Dakar, e o melhor rookie.

Começando por fazer dois excelentes resultados nas etapas portuguesas (24º e 23º) ainda a habituar-se à Nissan Pathfinder, o piloto estava muito bem classificado, numa altura em que estavam ainda em prova 18 pilotos das equipas oficiais. Miguel, começou logo aí a impressionar e até Dakar, passando por algumas peripécias, conseguiu por oito vezes nas 14 etapas disputadas este ano, cortar a meta entre os 30 mais rápidos.

Uma fuga de óleo no seu Nissan Pathfinder obrigou-o a perder muito tempo e a fazer o 91º lugar da primeira etapa Marroquina, perdendo 36 lugares de uma assentada. Apesar de terem partido para a etapa seguinte (quarta) com 90 carros à sua frente, Miguel Barbosa e Miguel Ramalho tiveram a espinhosa missão de ultrapassar o maior número possível de adversários: “Foi uma etapa terrível, porque as ultrapassagens não foram fáceis e perdemos imenso tempo com o pó. Foi uma desilusão porque apesar de realizarmos o 61º tempo, e passar por todo aquele suplício, ganhámos somente quatro magras posições à geral”.

Mas a “maldição marroquina” que perseguiu o Campeão Nacional, ainda foi mais voraz na Quinta Etapa, quando os dois Migueis tiveram logo de parar no quilómetro 50 da Especial, devido a se ter partido o veio de transmissão, deixando-os somente com tracção traseira, o que não deu jeito nenhum na passagem das dunas. Ainda por cima, “azar dos azares” de Barbosa, o tempo perdido com a reparação e mais alguns atascansos, atiraram a dupla portuguesa para o 136º lugar… da etapa, e na geral caíram (37 posições) para 92ª. Como consequência directa, no dia seguinte, lá estavam eles no fim da fila das partidas. A etapa que os ia tirar do “terreno amaldiçoado”, a Sexta, proporcionou-lhes a passagem para a Mauritânia onde cumpriram a etapa no 69º lugar ganhando 13 posições.

A recuperação de Miguel Barbosa/Miguel Ramalho foi a partir do sétimo dia, absolutamente fantástica. Etapa após etapa e com grande empenhamento pessoal, a equipa portuguesa esteve sempre entre os 34 mais rápidos, logrando mesmo o 13º tempo a dois dias do fim, rubricando o melhor resultado português. Foram subindo paulatinamente até ao 21º lugar em que subiram ao Pódio em Dakar. No seu ano de estreia conseguiu ser o melhor rookie da prova e o segundo melhor português. Resultados que comprovam o excelente profissionalismo de Barbosa e o colocam no patamar dos melhores pilotos portugueses da actualidade.


Rumar ao Senegal foi uma decisão muito bem ponderada: “disputar o Dakar é o sonho de qualquer piloto de Todo-o-terreno. Mas só decidi fazê-lo este ano, pois partindo a prova de Lisboa, faria todo o sentido. Procurei com esta minha primeira participação aprender o máximo, recolher informação para poder utilizá-la em edições futuras. Acho que consegui exactamente o que queria”, disse.


“Existiram alturas bem complicadas, especialmente as de Marrocos. Mas, depois aos poucos e conhecendo melhor o carro, o seu comportamento e suas limitações fomos andando ao nosso ritmo e de forma cautelosa. Conseguimos gradualmente atingir os nossos objectivos. As dunas que inicialmente pensámos serem complicadas revelaram-se até mais fáceis”, explicou.

“No final, senti quase um ligeiro sabor a vitória, pois não esperava de forma alguma conseguir o que consegui neste ano de estreia. E estes resultados devo-os também ao Miguel Ramalho que fez um trabalho exemplar”, rematou.

DCA News, 2006-01-24
 
Pesquisar

W e b - d e s i g n


  A informação disponibilizada é de carácter informativo. Não tem a pretensão de ser exaustiva nem completa.
Não nos responsabilizamos por qualquer tipo de incorrecção, embora tenhamos a preocupação de ter a informação o mais correcta possível.